Home / Europa / Espanha / Santiago de Compostela: o símbolo do cristianismo espanhol

Santiago de Compostela: o símbolo do cristianismo espanhol

Santiago de Compostela com 90.000 habitantes é a capital da Galiza e uma das mais belas cidades da Espanha. Santiago está localizado a 30 km da costa do Oceano Atlântico no centro geográfico da Galiza, que é a região mais ao noroeste da Espanha.

Santiago é um famoso centro de peregrinação, que tornou-se o símbolo do cristianismo espanhol contra o Islã. Foi destruída pelos muçulmanos no final do século X e em seguida totalmente reconstruída no século seguinte. A cidade antiga de Santiago de Compostela com os seus palácios românicos, góticos e barrocos é uma das mais belas áreas urbanas do mundo. Os monumentos mais antigos são agrupados em torno do túmulo de São Tiago (Santiago) e da catedral, que contém o magnífico Pórtico da Glória.

QUE VER: AS PRINCIPAIS ATRAÇÕES DE SANTIAGO DE COMPOSTELA

Em 1985 Santiago de Compostela foi declarado Património Cultural da Humanidade pela UNESCO, devido à beleza e à integridade dos seus monumentos e à importância do seu santuário apostólico. Trata-se do ponto de chegada do caminho espiritual mais importante da Idade Média.

Santiago de Compostela é também o destino final da rota de peregrinação medieval chamada Caminho de Santiago, que foi proclamada em 1987 pelo Conselho da Europa o primeiro Itinerário Cultural Europeu e em 1993 Patrimônio Cultural Mundial da Humanidade pela UNESCO. Esta rota tem desempenhado um papel fundamental no sentido de incentivar o intercâmbio cultural entre a Península Ibérica e o resto da Europa durante a Idade Média.

A cidade de Santiago de Compostela data do século IX, quando o bispo de Iria Flavia, hoje Padrón, situado 20 km ao sul de Santiago, segundo o conselho dum eremita reconheceu num mausoléu romano o túmulo do Apóstolo São Tiago (Santiago). Pouco depois o rei das Astúrias, Afonso II, visitou o túmulo e declarou Santiago a padroeira das Astúrias. Desde então o local tornou-se um lugar de culto e peregrinação, símbolo do cristianismo, que defendeu-se contra o avanço do Islã. A data geralmente aceite para a fundação da cidade é 830 AD. Em 997 a cidade foi destruída pelos árabes, que eram comandados por Almanzor, mas os árabes respeitaram o sepulcro. Mais tarde os cristãos reconstruíram a cidade, cercando-a com muralhas, abrangendo o perímetro da zona antiga da cidade de hoje.

Em 1075 começou a construção da Catedral românica, que será concluída em 1125 pelo Mestre Esteban. Durante esta fase graças a Dom Diego Xelmírez desenvolveu-se além da catedral a cidade. Foram construídos outros edifícios, incluindo o palácio do arcebispo (Palacio Arzobispal) e várias igrejas, que acolhem algumas relíquias recuperadas do bispo e aquelas da Santa Susanna.

Em 1168 uma nova fase de construção envolve a Catedral. Sob as ordens do mestre Mateo, artista da época, são realizadas as peças monumentais da catedral incluindo o Coro Pétreo e o Pórtico da Glória, um dos mais importantes obras do estilo românico europeu. O Caminho de Santiago tornou-se a mais importante rota medieval de peregrinação. Os peregrinos usaram a Via Francigena (partindo da Itália) e em seguida a Via Tolosana, que foi também usada pelos peregrinos alemães, a Via de Tours (partindo da Inglaterra, dos Países Baixos e do norte da Alemanha, a Via Podense e a Via Lemovicense. Para acomodar os peregrinos às portas da cidade foram construídos os conventos de ordens mendicantes, quer dizer os conventos de San Francisco, Santo Domingo, Santa Clara e Belvis, que formaram a cidade histórica fora dos muros. Em 1525 foi fundada a famosa universidade. No mesmo período foi construído o Hostal de Los Reyes Catolicos. No século XVII foi construída a fachada do Obradoiro no estilo barroco e muitos edifícios da cidade foram renovados.

O volta da cidade pode começar na praça principal, a Plaza del Obradoiro, onde estão os edifícios mais importantes da cidade: a Catedral, o Pazo de Raxoi, o Hostal de Los Reyes Catolicos e o Colégio de San Xerome. A catedral tem uma planta em cruz latina com três naves e nove torres, duas delas para cada lado e três no transepto. Cada uma das três fachadas é aberta para diferentes praças e forma maravilhosos conjuntos arquitetônicos de diferentes estilos: a magnífica fachada barroca do Obradoiro do lado oeste, projetada por Fernando Casas y Novoa em 1740 no estilo barroco. Do lado norte fica a fachada do Azabachería por Ferro Caaveiro e Fernández Sarela. Do lado sul há a mais antiga de todas as fachadas românicas de Platerias, provavelmente construída em 1103 pelo Mestre Mateo. A entrada oeste da catedral é completada por uma das maiores obras de arquitetura românica europeu, o Pórtico da Glória, acabado em 1188 após um trabalho de 20 anos pelo Maestro Mateo. O átrio da catedral é composto por três arcos com mais de 200 figuras esculpidas no granito, que representam o tema da salvação. O interior da Catedral é uma planta em cruz latina, preservando o estilo românico. A nave mede 97 metros de comprimento e 24 metros de altura. Nos corredores há 4 das 16 capelas da catedral. O altar é encimado por um dossel no estilo barroco e está localizado perto do antigo mausoléu romano, que abriga os restos mortais de São Tiago (Santiago).

Na Plaza del Obradoiro pode-se ver o Hostal de los Reyes Catolicos, construido a partir do início do século XVI no estilo renascentista plateresco como edifício para acomodar os peregrinos. Noutro lado da praça é o Pazo de Raxoi, um edifício do século XVIII, construído como seminário dos confessores, casa do Consistório e residência do coro infantil da catedral. Do lado oposto da praça com o Hostal de los Reyes Catolicos fica o Colégio de San Xerome, que hoje abriga a reitoria. Foi fundado no século XVI para acomodar os estudantes pobres. À direita do Hostal de los Reyes Católicos encontra-se o Pazo de Xelmírez, um palácio episcopal no estilo românico dos séculos XII e XIII.

A partir da Praça da Imaculada, que oferece uma vista para o Azabachería e para o Mosteiro de San Martín Pinarius pode gozar uma bela vista para a catedral. Chegado à Praça da Quintana, um quadrado de dois níveis, vai encontrar a Casa de la Parra do século XVII e o Mosteiro de San Paio de Antealtares. Na Plaza de Platerias fica a Casa del Cabildo, um belo edifício barroco do século XVIII. Em seguida pode continuar o passeio pela cidade, caminhando pelas ruas do centro em torno da catedral, na Rua do Franco, na Plazuela de Fonseca com o Colegio Mayor de Fonseca, na Praça do Toural com o Palácio dos Marqueses de los Bendaña do século XVIII e nas arcadas da Rúa do Vilar.

Nos arredores de Santiago de Compostela vale a pena de visitar a costa da Galiza com o Cabo Finisterra e a Costa de la Muerte. Para os amantes de antiguidades romanas uma parada a não perder é a cidade de Lugo a 100 km de Santiago, onde são visíveis muralhas romanas quase intactas do final do terceiro século da cidade de “Lucus”. Todo o circuito das muralhas é o melhor exemplo duma fortificação romana da Europa Ocidental existindo ainda hoje. Em 2000 a UNESCO declarou as muralhas Património da Humanidade.

COMO CHEGAR A SANTIAGO DE COMPOSTELA

O aeroporto de Santiago de Compostela é o Aeroporto Santiago de Compostela-Lavacolla (IATA: SCQ), que está localizado a 16 km do centro da cidade. O aeroporto oferece voos, que conectam muitas cidades espanholas com alguns países europeus como o Reino Unido, a Irlanda, a Suíça, a Turquia, a França, a Bélgica e a Itália.

O clima de Santiago de Compostela.

Texto português corrigido por Dietrich Köster.

banner
Close
Inscreva-se no nosso canal YOUTUBE
Se você gosta de viajar, inscreva-se no nosso canal de viagens YOU TUBE: