Home / Oceania / Polinésia Francesa / Ilhas Gambier: o mais pequeno e mais isolado dos arquipélagos da Polinésia Francesa
Catedral de Saint-Michel, Rikitea, Mangareva, Ilhas Gambier, Polinésia Francesa. Autor FRED. Licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike
Catedral de Saint-Michel, Rikitea, Mangareva, Ilhas Gambier, Polinésia Francesa. Autor FRED.

Ilhas Gambier: o mais pequeno e mais isolado dos arquipélagos da Polinésia Francesa

As Ilhas Gambier, localizadas ao norte do Trópico de Capricórnio, são o mais pequeno e mais isolado dos arquipélagos da Polinésia Francesa. As ilhas são quase uma continuação do arquipélago de Tuamotu. Encontram-se em seu sudeste em torno de 23 graus de latitude sul e 134 graus de longitude oeste a 1.700 km ao sudeste de Taiti.

Este grupo de ilhas cobre uma área de 31 km² e tem uma população de 1.098 habitantes (2007). As Ilhas Gambier, além do pequeno atol deshabitado de Temoe, localizado ao sudeste de Mangareva, estão todos fechados no mesmo recife de coral. Trata-se dum total de 14 ilhas e ilhotas, fechado de três lados por um recife de coral semicircular de 65 km de comprimento.

A principal ilha do arquipélago é Mangareva com 18 km² e 1.030 habitantes, onde fica a aldeia principal das Ilhas Gambier; Rikitea. Outras ilhas importantes são Taravai com 5,7 km² e uma população de 7 pessoas, Akamaru com 2,1 km² e 20 habitantes, Aukena com 1,35 km² e 40 habitantes e Kamaka com 0,5 km² e um habitante. O ponto mais alto do arquipélago é o Monte Duff com 441 metros na ilha de Mangareva. A principal actividade dos habitantes das Ilhas Gambier é o cultivo de pérolas, que é realizado nas águas da lagoa de Mangareva. As Ilhas Gambier têm um clima tropical, somente os meses de julho e agosto têm temperaturas um pouco frescas.

Igreja de Saint-Gabriel, Taravai, Ilhas Gambier, Polinésia Francesa. Autor FRED. Licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike

Igreja de Saint-Gabriel, Taravai, Ilhas Gambier, Polinésia Francesa. Autor FRED

O capitão britânico John Wilson da Sociedade Missionária de Londres (London Missionary Society/LMS) foi o primeiro europeu a chegar nas Ilhas Gambier em 1797. As ilhas tornaram-se um objecto duma evangelização fanática entre os anos de 1834 e 1871 por missionários católicos. Os habitantes das ilhas foram convertidos ao catolicismo quatro anos após a chegada dos padres Honoré Laval e François Caret e do irmão Columban Murphy.

Um código de leis conhecido como o código de Mangareva impôs uma estrita moral aos nativos. Um enorme programa de construção levou à construção de 116 edifícios de pedra e de coral, que incluíram igrejas, capelas, conventos, escolas, moinhos, padarias e de ruas de pedra. Em Rikitea foi construída a catedral de Saint-Michel de 1.200 lugares, a maior na Polinésia Francesa. A criação dum protetorado francês no Taiti em 1871 e a subsequente saída do Padre Laval causou o fim deste regime teocrático, que tinha sido estabelecido nas ilhas Gambier. Hoje o recurso principal das ilhas é o cultivo de pérolas e as jóias de mãe pérola.

Como chegar: O aeroporto das ilhas Gambier está localizado na ilha de Totegegie, um motu ao longo do recife em torno das ilhas. A companhia Air Tahiti liga as ilhas Gambier por voos regulares com Taiti. O tempo necessário para o voo é de 3 horas e meia.

Superfície: 31 km²
População: 1.098 habitantes

Nota: Os dados dos habitantes referem-se ao Censo de 2007.

Texto português corrigido por Dietrich Köster.

banner
Siga-nos no Facebook
Mantenha-se informado sobre Guia Viagem