Home / Europa / Polônia / Cracóvia atrações turísticas: o que ver em Cracóvia
Wawel, Cracóvia, Polônia. Autor Magdalia25. Licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike
Wawel, Cracóvia, Polônia. Autor Magdalia25

Cracóvia atrações turísticas: o que ver em Cracóvia

O centro histórico de Cracóvia está localizado no sopé da colina, onde fica o Castelo Real do Wawel. A cidade mercantil do século XIII possui uma das maiores praças da Europa com muitos edifícios históricos como igrejas, palácios, casas, fortificações e sinagogas. Cracóvia é também o lar duma antiga universidade e duma catedral gótica, onde os reis da Polônia foram enterrados.

A cidade é famosa por seu centro histórico quase completamente fechado ao tráfego. No centro encontra-se a grande praça do mercado completamente cercada por uma faixa de jardins bem cuidados com uma largura de 50 a 100 metros, chamada Planty.

A ampla presença de edifícios no estilo gótico, renascentista e barroco na Cidade Velha (Stare Miasto) atesta o grande passado desta cidade maravilhosa, cuja parte medieval foi preservada quase intacta.

Em torno da Cidade Velha existia uma muralha poderosa, que foi completamente destruída durante a dominação austríaca com exceção dum pequeno trecho sobrevivendo próximo ao Portão de São Floriano e ao Barbican. Ao longo da antiga rota das muralhas ergue-se agora o belo Jardim Planty.

A visita começa desde a entrada norte da Cidade Velha, onde fica o Barbican (Barbakan), um posto fortificado do final do século XV. A estrutura é cilíndrica, cercada por um fosso, um pátio interior e sete torres. Apenas além do Barbican encontra-se o Portão de São Floriano (Brama Floriańska). É o portão único remanescente dos 8, que uma vez defendevam a cidade, construído no século XIII e coberto com uma torre gótica de mais de 33 metros de altura.

Além do Barbican e do Portão de São Floriano existiram as antigas muralhas da cidade com mais de 3 km de comprimento com 8 portas e 39 torres. Foram destruídas no início do século XIX com a exceção de três torres (Baszty Pasamoników, Baszty Stolarska, Baszty Ciesielska) e dalgumas dezenas de metros da muralha.

Continuando pela estrada Floriańska vem para a grande praça central, a Praça do Mercado (Rynek Glowny), uma das maiores praças da Europa. Trata-se dum quadrado de 200 metros de cada lado, ficando no centro o Mercado do pano (Sukiennice). É cercado por edifícios belos dos séculos XVII e XVIII: A Torre Cívica da Câmara Municipal, a Igreja de Santa Maria (Bazylika Mariacka) do século XIV e a Igreja de St. Adalbert (K. sv. Wojciecha). Os edifícios da praça abrigam o Museu Histórico de Cracóvia, o Centro Internacional de Cultura, muitas lojas, restaurantes e cafés. A praça é um ponto de encontro, que hospeda concertos, festivais, feiras e mercados. Vamos ver em pormenores os principais edifícios, que estão localizados na praça: O edifício do Mercado do pano (Sukiennice) no centro da imensa Praça do Mercado (Rynek Glowny). Foi construído no século XIV como um centro de comércio de produtos têxteis. Por causa dum incêndio, que destruiu o edifício original, o palácio foi reconstruído no estilo renascentista. Hoje abriga a Galeria de pintura polaca do século XIX, que é uma das seções do Museu Nacional de Cracóvia.

Sukiennice, Cracóvia, Polônia. Autor Jan Mehlich. Licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike

Sukiennice, Cracóvia, Polônia. Autor Jan Mehlich

Do lado do nordeste da praça fica a Igreja-Basílica de Santa Maria (Bazylika Mariacka), uma imponente igreja gótica do século XIV – a segunda em tamanho apenas depois da Catedral do Wawel – , que com as suas duas torres elevadas é um dos símbolos da cidade. A fachada é caracterizada por suas duas torres, que ladeiam assimétricamente e com diferentes alturas a torre menor, medendo 69 metros de altura e coberta por uma cúpula renascentista. A torre mais alta com 81 metros foi usada no passado como uma torre de vigia. Hoje a cada hora é jogado o Hejnal ou seja a “convocação”, efectuada quatro vezes uma para cada lado da torre a cada hora para cada dia do ano. O interior da igreja tem três naves com várias capelas laterais. Aqui é preservado o famoso Altar gótico, construído entre 1477 e 1489 como a obra-prima pelo mestre de Nuremberga Veit Stoss. É um retábulo policromo com 13 metros de altura por 11 metros de largura, consistindo em cinco painéis de madeira entalhada, pintada e dourada, em que estão representados a Dormição da Virgem Maria na presença dos doze apóstolos e episódios da vida de Cristo e da Virgem.

No extremo sul da Praça do Mercado há a pequena Igreja de São Adalberto (K. sw. Wojciecha). É uma das igrejas mais antigas da cidade. A sua construção remonta ao século XI, um século antes da construção da Praça do Mercado. No século XVII a igreja foi parcialmente reconstruída no estilo barroco e a cripta da igreja abriga um pequeno museu sobre a história da Praça do Mercado. Na Praça do Mercado existe também a sede do Museu Histórico de Cracóvia (Muzeum Historyczne Miasta Krakowa), localizado no Palácio barroco Krzysztofory. Aqui são apresentados mapas, pinturas, gravuras, fotografias antigas, retratos, armas e relógios. O palácio tem estuques pelo arquiteto italiano Baldassare Fontana. O museu é composto de várias divisões, localizadas em prédios espalhados pela cidade, mostrando vários aspectos da história de Cracóvia.

A torre da Câmara Municipal (Wieża Ratuszowa) abriga uma coleção de fotografias. É a única parte remanescente da antiga Câmara Municipal (Ratusz) da cidade, que foi demolida em 1820. A torre foi construída no estilo gótico no final do décimo-terceiro século. Desde o topo de 70 metros de altura tem uma bela vista da cidade. Na praça encontra-se o monumento de 1898, dedicado a Adam Mickiewicz (Adama Mickiewicza), um dos poetas e escritores polacos mais conhecidos.

Um pequeno desvio da Praça do Mercado ao longo da rua Sv. Anny conduz para a sede dos antigos palácios da Universidade Jagieloniana (Uniwersytet Jagielloński), a segunda na Europa Central seguinte àquela de Praga. Aqui está o Collegium Novum, construído em 1887, e a casa dos reitores, o interessante Collegium Maius, que foi desde o século XV a casa dos professores da faculdade e foi em seguida no século XIX a casa da biblioteca da universidade e é agora o lar do Museu Jagieloniano (Muzeum Uniwersytet Jagielloński), que exibe uma colecção única de instrumentos científicos antigos, bem como retratos de professores e memorabilia universitários. Escolhendo a partir da Praça do Mercado a rua Bracka chegamos à Basílica franciscana (Bazylika sw. Franciszka), um edifício românico do século XIII, que está localizado em frente do Palácio do Arcebispo. No interior são janelas maravilhosas por Stanislaw Wyspianski do final do século XIX, um artista versátil, considerado na Polônia como o Leonardo da Vinci polaco. Anexado à igreja está o Mosteiro Franciscano do século XV com um claustro bonito cheio de afrescos dos séculos XV e XVI. Aqui encontra-se também o Palacio Wielopolski, a sede da Câmara Municipal de Cracóvia desde 1864

Collegium Maius, Cracóvia, Polônia. Autor Cancre. Licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike

Collegium Maius, Cracóvia, Polônia. Autor Cancre

Não muito longe ao longo da rua Dominikanska fica a Basílica da Santíssima Trindade (Bazylika Trójcy Świętej), uma importante igreja gótica dominicana do século XIII com um belo portal do século XV, muitas capelas e um grande claustro do Mosteiro Dominicano do século XIV. Tomando a ul. (rua) Grodzka, que leva à Colina do Wawel, encontra-se a Igreja de São Pedro e São Paulo (K. sw. Sw. Piotra o Pawla), uma grande igreja barroca do século XVII. A colina do Wawel pode ser alcançada por meio da ul. (rua) Kanonicza, uma antiga rua, que corre paralelamente à ul. (rua) Grodzka.

Chegamos na colina do Wawel, um outro núcleo histórico de Cracóvia, que está localizado ao sul da Cidade Velha, onde vai encontrar o Castelo Real e a Catedral. O Castelo Real do Wawel (Zamek Królewski na Wawelu) é uma das mais belas residências reais do Renascimento europeu. Foi a residência dos reis de Polônia até o final do século XVI. A partir dos meados do século XI a colina do Wawel foi a residência dos governantes polacos. No século XIV o castelo foi muito ampliado por Ladislas, o Breve (Władysław I Łokietek) e por seu filho Casimiro III, o Grande (Kazimierz Wielki III), que construiu uma residência enorme no estilo gótico.

Em 1499 um incêndio destruiu uma parte do castelo. Alguns anos depois o rei Alexander Jagiellon (Aleksander Jagiellończyk) contratou o arquitecto italiano Francesco, o florentino para reconstruir a residência real no estilo renascentista. Foi responsável pela renovação do castelo até a sua morte em 1516, quando assumiu o cargo de arquiteto da corte um outro arquiteto florentino, Bartolomeo Berrecci, que continuou o trabalho no castelo até 1537. Depois da sua morte outros arquitetos italianos trabalharam no castelo, incluindo o florentino Niccolò Castiglione e Matteo, o italiano. O interior do edifício foi decorado por artistas alemães com esculturas e tectos em madeira, enquanto tapeçarias flamengas decoravam as paredes do castelo.

Hoje o Castelo Real do Wawel é um museu, onde pode visitar numerosos quartos: As salas do Governador com os seus tectos renascentistas e a famosa sala de audiências ou dos enviados com um tecto de caixotões, decorados com 30 cabeças de madeira, o salão do Senado, a capela real, os apartamentos reais e o arsenal. Notável é também a recolha de 142 tapeçarias, encomendadas pelo rei Sigismundo II Augusto (Zygmunt II agosto) na Flandres. No castelo há também pinturas, lareiras, tectos de estuque e mobiliário toscano do século XVI, coleções de artes orientais, armas e os retratos dos reis polacos.

O segundo edifício fino na colina do Wawel é a Catedral de São Estanislau e São Venceslau (Bazylika archikatedralna św. Stanisława i św. Wacława w Krakowie), localizada no sopé do castelo. A sua construção remonta ao século XIV. Por muitos anos foram aqui celebradas as coroações dos reis polacos e aqui foram enterrados os reis da Polônia.O centro da nave da Catedral é ocupado pelo Mausoléu de São Estanislau, o santo padroeiro da Polônia, construído em 1630. Dezoito capelas, cheias de tesouros de arte, encontram-se no interior da Catedral do Wawel. Entre estas há a Capela de Sigismund (Kaplica Zygmuntowska na Wawelu), uma verdadeira obra de arte da arquitetura do Renascimento e um dos mais valiosos monumentos arquitetônicos de Cracóvia. A capela foi construída a mando do rei Sigismundo I (Zygmunt I Stary) entre 1519 e 1533 pelo florentino Bartolomeo Berrecci. Tem uma base quadrada, encimada por uma cúpula dourada, abrigando os túmulos dos últimos reis jagiellonianos: Sigismund I, Sigismund Augusto e Anna Jagiellon. O desenho das esculturas do interior, dos estuques e das pinturas foram feitos por alguns dos mais renomados artistas da época como o florentino Santi Gucci. A capela é considerada a mais bela obra de arquitetura renascentista italiana fora da Itália. Para uma bela vista da cidade de Cracóvia pode entrar na torre do sino da Catedral, que remonta ao século XIV. Aqui é o famoso sino Zygmunt de 1521. No sopé da colina do lado sudeste há duas igrejas: A Igreja de São Bernardo (K. sw. Bernarda), uma igreja barroca do século XVII, e a Igreja da Conversão de São Paulo (K. Navrocenia sw. Pawla) do século XVIII.

Cracóvia, Polônia. Autor FotoCavallo. Licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike

Cracóvia, Polônia. Autor FotoCavallo

Apenas a 10 minutos a pé ao leste do Castelo Real do Wawel fica o bairro de Kazimierz, o antigo gueto judeu, o centro da vida religiosa e social de Cracóvia judaica até que as deportações da comunidade judaica local tiveram lugar durante a ocupação nazista. Todas as sete antigas sinagogas de Cracóvia – todas as que datam dos séculos XVI, XVII e XVIII – estão localizadas no antigo gueto judeu. Dois deles, a Sinagoga Tempel (Synagoga Tempel w Krakowie) do século XIX na rua Miodowa e a Sinagoga Remuh (Synagoga Remuh w Krakowie) do século XVI na rua Szeroka com o cemitério judaico adjacente Remuh do século XVI servem ainda à comunidade judaica pequena, que permanece.

Entre as atrações principais desta parte da cidade existe a Antiga Sinagoga (Synagoga Stara w Krakowie), um edifício renascentista do século XVI com um interior no estilo gótico. A sinagoga abriga agora um museu de história e cultura judaica. A Sinagoga Isaac (Synagoga Izaaka) do século XVII, destruída durante a ocupação nazista, encontra-se agora em reconstrução. A Sinagoga Kupa (Synagoga Kupa) remonta ao século XVII. Foi a antiga sinagoga dos pobres. A Sinagoga Wysoka (Synagoga Wysoka) do século XVI tem um portal renascentista. A Sinagoga Popper (Synagoga Popera) é um edifício barroco do século XVII. A rua Szeroka era a rua principal do bairro judeu.

Entre os limites do bairro judeu e o rio Vistula há três igrejas interessantes: Chegando do Gueto Judeu a primeira igreja remanescente é a Igreja do Corpo de Cristo (K. Bozego Ciala), uma igreja gótica, construída no meio do século XIV, com um mosteiro adjacente. Um pouco mais adiante fica a Igreja de Santa Catarina (K. sw. Katarzyny), um edifício gótico do século XIV com um altar barroco, um mausoléu do século XVI e um claustro belo e monumental com afrescos medievais e renascentistas.

Mais perto do Vístula fica o Santuário Skalka (K. sw. sw. Michala j Stanislawa), o lugar sagrado mais importante da Polônia após o Mosteiro de Jasna Gora em Czestochowa. Aqui São Estanislau, o padroeiro santo da Polônia, foi martirizado em 1079. A igreja, ladeada pelo mosteiro renascentista do século XVII, é no estilo rococó do século XVIII. No interior são visíveis numa parede três manchas de sangue do mártir. Na cripta da igreja foram construídos a partir de 1880 mausoléus para os dignitários polacos mais ilustres.

Perto de Cracóvia são a visitar: A mina de sal de Wieliczka, as Altas Montanhas de Tatra, a cidade histórica de Czestochowa, o campo de concentração nazista de Auschwitz e o Parque Nacional de Ojcow.

QUE VER: OS MUSEUS DE CRACÓVIA

Cracóvia é considerada a capital cultural da Polónia. A cidade tem muitos museus, alguns dos quais estão entre os melhores do país. Estes incluem o Museu Nacional de Cracóvia (Muzeum Narodowe w Krakowie), dividido em oito seções. Trata-se de Museus Nacionais da Polónia de primeira ordem.

Museu Nacional de Cracóvia: Seção Museu Czartoryski e do Arsenal (Muzeum Książąt Czartoryskich-Arsenal): É um dos museus mais importantes da Polónia. Apresenta uma rica coleção de arte antiga romana, grega, etrusca e egípcia, artes européias e asiáticas decorativas, pinturas européias como pinturas italianas, neerlandesas e flamengas, objetos históricos, incluindo armaduras, espadas e alabardas. A obra de arte, para a qual o museu é famoso, é a “Dama com Arminho” por Leonardo da Vinci.

Dama com Arminho, Leonardo da Vinci, Czartoryski Museum, Cracóvia, Polônia. No Copyright

Dama com Arminho, Leonardo da Vinci, Czartoryski Museum, Cracóvia, Polônia

Museu Nacional de Cracóvia: Seção Palácio principal (Muzeum Narodowe w Krakowie, Gmach Główny), localizado num subúrbio ocidental de Cracóvia. Há várias exposições permanentes: Galeria de pintura polaca do século XX, uma seção sobre as artes decorativas e uma dedicada aos uniformes e armas polacos.

Museu Nacional de Cracóvia: Seção Galeria de arte polaca do século XIX no Sukiennice (Galeria Sztuki Polskiej XIX wieku w Sukiennicach). Está localizado na Praça do Mercado e abriga a Galeria de pintura polaca do século XIX. A galeria de arte tem obras de pintores do romantismo polaco e do movimento da Jovem Polónia, incluindo Michałowski, Malczewski, Gierymski e Jan Matejko.

Museu Nacional de Cracóvia: Seção Manggha, Centro de Arte e Tecnologia Japonesa (Centrum Sztuki i Techniki Japońskiej “Manggha”), um importante museu, dedicado à arte japonesa. A parte mais valiosa da coleção é representada por 4.600 gravuras em madeira. O museu tem também pequenas estatuetas de marfim e de madeira, uma coleção de botões ornamentais, chamada “netsuke”, e 1.000 roupas, armaduras, armas e objetos militares dos séculos XVI-XIX.

Museu Nacional de Cracóvia: Seção Museu Emeryk Hutten Czapski (Muzeum im. Emeryka Hutten-Czapskiego), um museu dedicado à numismática com coleções de moedas polacas e europeias desde a antiguidade até o século XIX, incluindo a coleção completa de moedas e dinheiro de papel polaco, colectada no século XIX pelo conde Emeryk Hutten Czapski.

Museu Nacional de Cracóvia: Seção Casa de Jan Matejko (Dom Jana Matejki). A exposição apresenta todas as obras de Jan Matejko, o mais famoso artista polaco do historicismo.

Museu Nacional de Cracóvia: Seção Museu Stanisław Wyspiański (Oddział Dom pod Krzyżem, Teatralny im. Stanisława Wyspiańskiego). O museu tem uma coleção de objetos pessoais e obras como pinturas, desenhos para vitrais, desenhos arquitetônicos, fantasias de teatro e móveis por Stanisław Wyspiański, o artista mais versátil do movimento modernista da Jovem Polónia.

Museu Nacional de Cracóvia: Seção Casa de Józef Mehoffer (Dom Józefa Mehoffera). Um museu biográfico do artista do Art Nouveau com muitas obras: Pinturas, gravuras, desenhos, vitrais e móveis.

Outro grupo importante de museus de Cracóvia é aquele dos museus históricos da cidade (Muzeum Historyczne Miasta Krakowa). O grupo é composto por 11 museus diferentes:

Museu da História da Cidade de Cracóvia: Seção Krzysztofory Palace (Oddział Pałac Krzysztofory, Dzieje i Kultura Krakowa), situado num palácio barroco do século XVII. O museu apresenta material relacionado à história da cidade: Ícones, pinturas e vistas antigas da cidade, armas e relógios.

Museu de História da Cidade de Cracóvia: Seção “A Casa do Sinal da Cruz” (Dom pod Krzyżem – “Dzieje teatru krakowskiego”), um museu dedicado à história do teatro em Cracóvia.

Museu de História da Cidade de Cracóvia: Seção Casa Hipolitów (Kamienica Hipolitów – “Dom Mieszczański”). O museu está instalado numa casa de três andares, que pertencia a uma antiga família da classe média. No primeiro andar são visíveis decorações de estuque do final do século XVII por Baldassarre Fontana. Está exposto uma coleção importante de relógios antigos, obras de arte decorativa, enfeites e ornamentos duma casa burguesa do século XVII ao início do século XX.

Museu de História da Cidade de Cracóvia: Seção Museu de memórias “Farmácia sob a águia” (“Apteka pod Orłem”), localizado numa antiga farmácia do gueto judeu. O museu é dedicado ao Gueto Judeu e ao campo de concentração de Plaszow.

Museu de História da Cidade de Cracóvia: Seção antiga Sinagoga (Stara Synagoga – “Dzieje i kultura Żydów krakowskich”). É um museu interessante de história e cultura judaica. O museu está localizado na antiga sinagoga no bairro de Kazimierz, uma das mais velhas da Europa.

Museu de História da Cidade de Cracóvia: Seção a Casa da Silésia, Cracóvia 1939-1956 (Ulica Pomorska – “Dzieje Krakowa w latach 1939-1956”). O museu apresenta a história de Cracóvia a partir do período da ocupação nazista até o período do terror stalinista.

Museu de História da Cidade de Cracóvia: Seção Celestat – A residência da Companhia de atiradores de elite (Celestat – “Dzieje Krakowskiego Bractwa Kurkowego”). O museu apresenta a história da irmandade de pássaros.

Museu de História da Cidade de Cracóvia: A Seção Barbican (Barbakan) permite a visita a este belo exemplo de arquitetura militar.

Museu de História da Cidade de Cracóvia: A Seção Torre da Câmara Municipal (Wieża Ratuszowa) permite uma visita à torre, de onde tem uma bela vista da cidade.

Museu de História da Cidade de Cracóvia: A Seção Salão Artístico do Distrito de Zwierzyniec (Zwierzyniecki Salon Artystyczny) abriga exposições temporárias.

Museu de História da Cidade de Cracóvia: Seção História de Nowa Huta (Dzieje Nowej Huty) abriga exposições temporárias sobre a história do bairro.

Entre os muitos outros museus: No Castelo Real do Wawel a Coleção de Arte Nacional (Zamek Krolewski na Wawelu). Nos salões do castelo real estão em exposição: Tapeçarias flamengas antigas, antiguidades, mobiliário, o tesouro da coroa, jóias, armas, arte oriental, cerâmicas japonesas e chinesas.

Museu da Catedral (Muzeum Katedralne): O museu exibe objetos de arte sacra, recordações relacionadas ao Papa João Paulo II.

Museu Judaico de Galícia (Muzeum Galicja). O museu histórico sobre a presença judaica em Galícia.

Museu da Arquidiocese (Muzeum Archidiecezjalne) com pinturas, esculturas e objetos sagrados

Museu de Arqueologia (Muzeum Archeologiczne) é o mais antigo museu arqueológico polaco e abriga objetos, que vão desde o paleolítico até o presente.

Museu do Collegium Maius da Universidade Jagieloniana (Muzeum Uniwersytetu Jagiellońskiego Collegium Maius).

Museu de Farmácia da Universidade Jagieloniana (Muzeum Farmacji Collegium Medicum Uniwersytetu Jagiellońskiego). O museu apresenta a história da farmácia desde a Idade Média até os dias atuais.

Cracóvia (Kraków): uma bela cidade histórica e antiga capital da Polónia.

Cracóvia clima: quando ir para Cracóvia.

Como chegar a Cracóvia. Voos Portugal / Brasil – Cracóvia.

Texto português corrigido por Dietrich Köster.

banner
Siga-nos no Facebook
Mantenha-se informado sobre Guia Viagem