Home / África / África do Sul / Namíbia: o deserto do Namibe e o Fish River Canyon
Deserto do Namibe, Namib-Naukluft, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini..
Deserto do Namibe, Namib-Naukluft, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini..

Namíbia: o deserto do Namibe e o Fish River Canyon

ORGANIZAÇÃO

O roteiro de viagem foi concebido e preparado vários meses antes de partir. Para a nossa primeira experiência na África Austral decidimos viajar com a paz de espírito, confiando-nós a um guia local especializado. Para a organização, reserva e investigação eu fiz tudo por Internet, comunicando com o sr. Erich Weilbächer, proprietário da empresa  E. Safari & Tours, Windhoek, Namíbia. Erich me foi apresentado por um amigo, que estava na Namíbia. O profissionalismo e a paixão de Erich para a natureza de seu país e seu trabalho era o melhor, que pode exigir duma viagem inesquecível.

Meio de transporte usado na Namíbia e na África do Sul até Augrabies: Toyota Land Cruiser 4×4 equipado com tanque adicional, 2 rodas sobressalentes, tanque de água, kit de primeiros socorros e um frigorífico. Guia: Erich Weilbächer (E. Safari & Tours).

Meio de transporte usado na África do Sul a partir de Augrabies: Volkswagen van. Guia: Sabine Rahn (Mosaic Tours and Services).

Organização de toda a viagem ao cuidado de Erich E. Weilbächer Safari & Tours, Windhoek, Namíbia.

ITINERÁRIO

  • 8 de agosto Voo Europa-Joanesburgo-Windhoek
  • 9 de agosto WINDHOEK (40 km) Chegada a Windhoek no início da manhã. “City Tour”/volta da cidade. Pernoite em Klein Windhoek Guest House
  • 10 de agosto WINDHOEK-SPREETSHOOGTE PASS-SESRIEM-DESERT HOMESTEAD (310 km) Khomas-Hochland, Spreetshoogte Pass, Naukluft Mountain, Sesriem Canyon. Pernoite em Desert Homestead
  • 11 de agosto DESERT HOMESTEAD-SOSSUSVLEI-NAMIB RAND-AUS (340 km) Sossusvlei, Dune 45, Namib Rand, Tirasberge, Aus. Pernoite em Klein Aus Vista
  • 12 de agosto AUS-KOLMANNSKUPPE-LÜDERITZBUCHT-AUS (250 km) Aus, Kolmannskuppe, Lüderitzbucht, Diaz Point, Garub (cavalos selvagens), Aus. Pernoite em Klein Aus Vista
  • 13 de agosto AUS-CANHÃO FISH RIVER (290 km) Aus, Gondwana Cañon Park, Fish River Canyon. Pernoite em Canyon Roadhouse
  • 14 de agosto CANHÃO FISH RIVER-KEETMANSHOOP-KGALAGADI TRANSFRONTIER PARK (440km) Fish River Canyon, Naute Dam, Ketmanshoop, Quiver Tree Forest/Kokerboomwoud, Giants Playground, Aroab, entrada na África do Sul a Rietfontein, Kgalagadi Transfrontier Park. Pernoite em Bungalow a 30 km da entrada do parque.
  • 15 de agosto KGALAGADI TRANSFRONTIER PARK (150 km) Exploração dentro do parque ao longo dos leitos dos rios secos Auob (até Auchterlonie) e Nossob (até Melkvlei). Cruzamento entre Melkvlei e Auchterlonie. Caminho para carros todo terreno 4×4 entre Leeuwdril e Houmoed. Pernoite em Twee Rivieren Resort Bungalow
  • 16 de agosto KGALAGADI TRANSFRONTIER PARK (340 km) Exploração dentro do parque ao longo dos leitos dos rios secos Auob (até Mata Mata) e Nossob (até Dirkbaardskolk). Cruzamento entre Urikaruus e Dirkbaardskolk. Pernoite em Twee Rivieren Resort Bungalow
  • 17 de agosto KGALAGADI TRANSFRONTIER PARK-AUGRABIES PARK (350 km) Kgalagadi Trasfrontier Park, um breve trecho até Leeuwdril. Upington. Quedas de Augrabies. Pernoite em Augrabies Park Bungalow
  • 18 de agosto AUGRABIES PARK (50 km) Caminhada de carro dentro do parque para admirar a paisagem da Garganta do Orange/Oranje. Pernoite em Augrabies Park Bungalow
  • 19 de agosto AUGRABIES-NAMAQUA PARK-KAMIESKROON (450 km) Augrabies, Springbok, Namaqua Park, Kamieskroon. Pernoite em Kamieskroon Guest House
  • 20 de agosto KAMIESKROON-CEDERBERG (380 km) Kamieskroon, Clanwilliam, Cederberg. Pernoite em Mount Cedar Lodge
  • 21 de agosto CEDERBERG (10 km) Passeios pela natureza do Cederberg. Pernoite em Mount Cedar Lodge
  • 22 de agosto CEDERBERG-WEST COAST PARK-YZERFONTEIN (300 km) Cederberg, West Coast Park, Postberg Section, Yzerfontein. Pernoite em Yzerfontein Harbour View
  • 23 de agosto YZERFONTEIN-STELLENBOSCH (170 km) Yzerfontein, Paarl, Franschhoek, Boschendal Estate, Stellenbosch. Pernoite em Stellenbosch Eendragt Hotel
  • 24 de agosto STELLENBOSCH-DE HOOP NATURE RESERVE-ARNISTON (250 km) Stellenbosch, De Hoop Nature Reserve, Arniston. Pernoite em Arniston Hotel
  • 25 de agosto ARNISTON-HERMANUS (220 km) Arniston, Cabo Agulhas, Hermanus. Pernoite em Mitchell Street Guesthouse
  • 26 de agosto HERMANUS-CIDADE DO CABO (130 km) Hermanus, False Bay, Gordon Bay, Cidade do Cabo. Table Mountain/Tafelberg. Pernoite em Panorama Guesthouse
  • 27 de agosto CIDADE DO CABO (150 km) Groot Costantia, Muizenberg, Boulders Beach, Cape Point, Cabo da Boa Esperança. Pernoite em Panorama Guest House
  • 28 de agosto CIDADE DO CABO (20 km) Fort Orange/Oranje, Company Gardens, Bo-Kaap, Kirstenbosch Botanical Garden. Pernoite em Panorama Guest House
  • 29 de agosto CIDADE DO CABO (80 km) Hout Bay, Chapman’s Peak Drive, Waterfront. Voo Cidade do Cabo-Europa
  • 30 de agosto Voo Cidade do Cabo-Europa. Fim da viagem.

DIÁRIO DE VIAGEM NA NAMÍBIA

8 de Agosto tempo claro
EUROPA-JOHANNESBURG-WINDHOEK

Finalmente estamos partindo para a África do Sul! Nosso voo para Paris foi às 16,00 e depois dum pouco mais duma hora aterragem no aeroporto Charles de Gaulle, onde iremos tomar o voo com partida às 19:40, operado pela Air France para voar para Joanesburgo.

9 de Agosto  tempo claro
WINDHOEK (40 km)

Chegamos na África do Sul às 6:00, onde esperamos outro avião, desta vez da Air Namibia para finalmente chegar a Windhoek, a capital da Namíbia.

O forte alemão Alte Feste, Windhoek, Namíbia. Author and Copyright Marco Ramerini

O forte alemão Alte Feste, Windhoek, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini

Às 08.30 chegamos ao destino no tempo. Recolhemos a bagagem em menos de dez minutos, provavelmente muito rapidamente, uma vez, que saimos da verificação de bagagem o nosso guia mesmo à sombra. Permanecemos um pouco perplexos tanto que um namibiano aconselhou-nós a chamar o nosso guia pelo alto-falante no balcão de informações.

No balcão de informações uma senhora simpática faz o anúncio e depois dum minuto está chegando Erich (E. Safari & Tours), um homem de cinqüenta anos de cabelos grisalhos, vestido como um guia respeitável e que em forma muito simpática pede desculpa pelo atraso, devido a um autocarro, que havia bloqueado a rua na cidade de Windhoek. Vamos numa Volkswagen carregando as nossas malas e começamos nossa aventura.

Nós dirigimos para Windhoek, que encontra-se a 40 km do aeroporto e ao longo do caminho nós fazemos o nosso primeiro encontro com os animais: Babuínos incomuns e maliciciosos, como nós aprendemos mais tarde, porque eles roubam a comida das mãos da gente e sem medo entram no carro e esmagando tudo em busca de comida.

O que imediatamente nós impressionou aqui na Namíbia era o céu tão claro e azul, que podemos observar durante centenas de quilómetros de distância. Estamos sobre um platô de 1.650 metros acima do nível do mar com belas montanhas atingindo quase 2.500 metros, que circundam a cidade de Windhoek.

O forte alemão Alte Feste, Windhoek, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini

O forte alemão Alte Feste, Windhoek, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini

Chegamos ao Klein-Windohek Guesthouse, um alojamento bastante confortável, onde vamos ficar apenas uma noite antes de iniciar a viagem real. Não queremos perder uma visita à cidade e depois dum breve mas farto pequeno almoço começamos por volta das 11h30 com Buddy, o nosso motorista para hoje, com uma volta de Windhoek.

É um dia lindo e o clima é muito agradável: A nossa primeira paragem, que fazemos, é o símbolo da cidade: a Igreja Luterana Christuskirche. O design e a estrutura são bizarros. A igreja foi construída em 1907 no estilo colonial alemão. Em seguida visitaremos o próximo forte alemão da Alte Feste, dentro da qual há um museu polivalente, dedicado à história da independência da Namíbia e a móveis, pinturas rupestres, música e cerâmica.

Não perdemos a visita ao palácio do governo, chamado Tintenpalast, construído entre 1910 e 1913), que visitamos só do lado de fora, perto da qual há um belo jardim com uma fonte e belas palmeiras. Muito característico é o mercado de artigos de madeira, feitos pelos namibianos, que provam ser simpáticos e não insistente em oferecer seus objetos de arte. Interessante foi a visita à antiga estação de caminho de ferro de 1912, sempre em funcionamento, cujo equipamento fazendo reviver a atmosfera do século anterior.

Uma coisa realmente exagerado é o novo edifício do parlamento, uma grande construção com escadas de metal, que cercam todo o edifício, onde pode-se ver estátuas de animais em tamanho natural.

Depois descançamos no quarto por um par de horas. Às 19h00 vamos para Joe’s Beerhouse de Windhoek, onde temos um encontro com o nosso amigo para jantar. O restaurante é o mais característico da cidade, decorado duma forma muito especial com objetos estranhos como troféus de animais locais nas paredes. Há ainda uma tabela, que indica o banheiro! O restaurante é famoso para os pratos africanos e não deve-se perder um pouco de cada tipo de carne. Nós provamos a carne de zebra, de springbok (gazela), de gemsbok (oryx), de crocodilo e de kudu, todas as carnes, que nós não desapontam.

10 de Agosto, tempo claro
WINDHOEK-SESRIEM-DESERT HOMESTEAD (310 km)

Desert Homestead, horas 17,40.

Estamos localizados na varanda do nosso quarto e a vista do pôr do sol da África varia sobre as montanhas da Naukluft. Temos diante de nossos olhos uma extensão de grama amarela, o contorno escuro das montanhas e o vermelho, rosa e roxo do céu ao pôr do sol, tudo num silêncio quebrado apenas pelo som dos grilos. É a nossa segunda noite na África.

Naukluft Mountains (Naukluftberge), Namib-Naukluft N.P., Namíbia. Author and Copyright Marco Ramerini

Naukluft Mountains (Naukluftberge), Namib-Naukluft N.P., Namíbia. Autor Marco Ramerini

Esta manhã depois duma paragem num centro comercial, onde mudamos um pouco de Euro para o Rand sul-africano. Nós preferimos mudar para o Rand, porque ele tem valor aqui na Namíbia, enquanto os Dólares da Namíbia não têm curso legal na África do Sul.

Saímos de Windhoek às 9h e aventuramos-nós na África auténtica entre paisagens de savana arborizada com acácias, montanhas áridas, intercaladas com planaltos cobertos com grama amarela.

Depois de alguns quilômetros da cidade fomos parados num posto de controle por um policial, que verificou os documentos do nosso carro e as de nosso guia, e em seguida a estrada tornou-se suja, mas ainda em estado excelente e nós viajamos ao longo da C 26, então da D 1265 e da D 1261 e então estamos na D 1275, que atinge quase 2.000 metros acima do mar com o Spreetshoogte Pass.

A paisagem, que é visível a partir do Spreetshoogte Pass, deixa sem fôlego com vista para a grande escarpa do deserto do Namíbe. Na distância pode ver o mar de areia do deserto e as montanhas com sombras causadas pela posição do sol.

Nós começamos a descida para a planície abaixo. Dos dois lados da estrada existe uma vista espetacular e em apenas quatro quilômetros descemos quase 1.000 metros! Ao longo do caminho vemos avestruzes e babuínos.

Sossusvlei, Deserto do Namibe, Namib-Naukluft, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini..

Sossusvlei, Deserto do Namibe, Namib-Naukluft, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini..

Nós paramos em Solitaire, onde há um posto de gasolina, um restaurante e um bar. Almoçamos aqui com um muito bom e abundante strudel de maçã. Pouco depois avistamos um rebanho de springbok (gazela). Eles são muito bonitos e elegantes. Nós caminhamos ao longo das magníficas montanhas da Naukluft numa paisagem de rara beleza. Chegamos a Sesriem, onde o nosso guia Erich compra os bilhetes para o dia seguinte para uma visita a Sossusvlei.

Nós visitamos o Sesriem Canyon, um pequeno canyon esculpido pelo rio Tsauchab, que depois vai atolar-se no Sossusvlei. Este rio está seco na maior parte do ano. Podemos caminhar sobre as rochas no desfiladeiro, onde nas paredes é claramente vista a alternância de períodos húmidos e secos durante as várias eras geológicas. Verdadeiramente um dia bonito e interessante!

O lugar, onde dormimos, o Desert Homestead, é muito bom. Estamos num cenário pitoresco. Amanhã teremos o alarme muito cedo para levantar-nós às 4,45 para ver as dunas de Sossusvlei, pouco depois do amanhecer, assim esperando de ter um outro dia lindo.

11 de Agosto, tempo claro
DESERT HOMESTEAD-SOSSUSVLEI-AUS (500 km)

Esta manhã acordei às 4.45 e partí para visitar as dunas de Sossusvlei. Chegamos ao parque pouco antes do amanhecer e as portas não estavam ainda abertas. O parque abre ao nascer do sol e fecha ao pôr do sol. Depois dum pouco de espera deve-se ir atrás de alguns quilómetros. Agora vemos as primeiras dunas de areia vermelha e mesmo alguns animais: oryx/gemsbok, avestruz e springbok (gazela). As dunas são muito boas e ao amanhecer do sol há sombras e luz como contrastes fabulosos.

Sossusvlei, Deserto do Namibe, Namib-Naukluft, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini..

Sossusvlei, Deserto do Namibe, Namib-Naukluft, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini..

Chegamos ao fim da estrada pavimentada após vários meses e vamos os últimos quilômetros de estrada de terra para chegar a Sossusvlei, o ponto, onde as dunas de areia barram a passagem da água do rio Tsauchab, que raramente traz água até aqui.

Do ponto de vista de chuvas este ano foi um ano verdadeiramente excepcional. A água do rio chegou sem problemas até Sossusvlei e até hoje, depois de vários meses de estação chuvosa, lagoas de água e manchas de verde estão presentes no meio do deserto vermelho. Subimos uma duna. É um esforço bastante cansativo, mas a vista é realmente fantástica: Em torno de nós é um mar de dunas de laranja-vermelho de todas as formas e tamanhos. Muitas dunas são grandes como colinas. Então existem os lagos de água cercados por arbustos verdes. Uma cena surreal!

Deserto do Namibe, Namib-Naukluft, Namíbia. Author and Copyright Marco Ramerini

Deserto do Namibe, Namib-Naukluft, Namíbia. Autor Marco Ramerini

Vamos voltar ao longo da estrada e paramos em vários pontos e em seguida visitamos a famosa Dune 45, uma duna enorme numa paisagem, que é o sonho de qualquer fotógrafo. Há árvores mortas, que formam o pano de fundo das imensas dunas de laranja-vermelho do deserto de Namibe. Este ano, devido às fortes chuvas, há também um manto de grama amarela, que cobre toda a planície debaixo das dunas. O intenso azul do céu, o vermelho-laranja das dunas, a erva amarela, o contraste de cores cria superlativos de cenários. Sobre um lado de algumas dunas cresceram tufos de grama verde, devido ao efeito da humidade, que vem do Oceano Atlântico.

Estamos saindo para Aus após uma paragem no Desert Homestead para tomar o pequeno almoço. Vamos para a estrada D 845. Nesta área podemos ver alguns círculos estranhos no chão de poucos metros de diâmetro, onde a grama não nasce. Pode acontecer devido talvez ao magnetismo terrestre. Chegamos a C 27 na Reserva do Namib Rand Nature, a maior área privada protegida na África. Aqui avistamos de longe zebras de Hartmann, o Springbok, o Gemsbok e os avestruzes.

Sossusvlei, Deserto do Namibe, Namib-Naukluft, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini..

Sossusvlei, Deserto do Namibe, Namib-Naukluft, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini..

A paisagem é lindo. Na retrospectiva acho, que é o mais bonito, que já vi na Namíbia juntamente com o que vemos no mesmo dia ao longo do D 707: montanhas rochosas escuras, grama amarela, que cobre tanto as montanhas quanto as planícies, savana com árvores esparsas. Uma paisagem pré-histórica.

Depois duma paragem ao longo do caminho para um piquenique voltamos para a estrada D 707. Aqui o cenário é também indescritível. Às vezes aparecem dunas vermelhas do Namibe, então o mar de grama amarela, em seguida um trecho de esporos brancos, que é grama, que parece neve, finalmente os picos das Montanhas Tiras, que atingem quase 2.000 metros, completam a cena. Ao longo do caminho admiramos também um belo exemplo de Kokerboom (Quiver Tree). Então chegamos a Aus, onde vamos ficar por duas noites no Klein Aus Vista, um grande hotel com quartos bonitos e espaçosos com vista para um belo pôr do sol africano.

12 de Agosto, tempo claro
AUS-KOLMANNSKUPPE-LÜDERITZBUCHT-AUS (250 km)

Esta manhã acordei às 6.45. Nós estamos dirigindo para o Oceano Atlântico e a vila de Lüderitzbucht. Ao longo do caminho o deserto dá lugar à areia rosa/amarela e depois dum pouco mais duma hora chegamos a Kolmanskuppe, uma vila mineira fantasma datando do início do século XX.  A vila cresceu graças à descoberta de diamantes e teve um período muito florescente. Artistas de teatro da Europa foram contratados para fazer shows no teatro local. A vila teve entre 2.000 e 3.000 habitantes e tinha um hospital de 250 camas. Em seguida os diamantes foram encontrados mais ao sul e Kolmanskuppe foi abandonada. Hoje há restos de casas enterradas e envoltas em areia, o teatro e os restos da linha ferroviária, que se movia por mulas, servindo como uma rede de eléctrico. A visita era interessante.

Kolmanskop, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini

Kolmanskop, Namíbia. Autor e Copyright Marco Ramerini

Depois doutros 10 quilômetros atingimos o Oceano Atlântico em Lüderitzbucht, o primeiro assentamento alemão no Sudoeste Africano/hoje Namíbia, uma pequena vila muito estranha. Parece uma vila alemã, catapultada para o deserto com o Oceano Atlântico frio, que a circunda.

Interessante é a igreja luterana sobre um morro, que eu vi como criança no meu livro de geografia e isso me fez fantasiar sobre Lüderitzbucht.A vila tem também belas casas coloniais e edifícios públicos em estilo alemão. Está localizada numa bela baía. Aqui agora está a aumentar fortemente a indústria da pesca, ao que parece graças a investimentos espanhóis. Almoçamos no Eagle Nest Hotel, localizado numa bela posição à beira-mar.

Então tentamos chegar ao Diaz Point, onde Bartolomeu Diaz desembarcou em 1487 e onde, em memória de seu desembarque, fou colocado um padrão, um monumento de pedra esculpida com o símbolo de Portugal. Devido às chuvas a área é invadida por água. Após a travessia dum primeiro fiorde quase sem problemas, além do fato de que ele tinha deixado uma passagem aberta, a partir do qual a água veio jorrando tudo. Depois chegamos a algumas centenas de metros do Diaz Point, mas aqui um lago de água barra o caminho, que nós impede de alcançar o nosso objetivo.

No caminho de volta nós admiramos as diferentes espécies de plantas e flores crescidas graças às chuvas incríveis neste ano. O nosso guia nós disse, que há mais de 40 anos, que não ocorreram chuvas tão intensas.

A poucos quilômetros de Aus paramos para ver os famosos cavalos selvagens, que era realmente um bom espectáculo: centenas de cavalos (talvez 200), pastando livremente num vale de grama amarela. Parece que os cavalos foram deixados aqui durante a Primeira Guerra Mundial pela tropa alemã em retirada e que eles foram capazes de adaptar-se a este clima tão difícil de deserto.

13 de Agosto, tempo claro
AUS-CANHÃO FISH RIVER (300 km)

Hoje começamos a partir de Aus, onde passamos dois dias, às 9 horas da manhã para ver trechos imensos e monótonos de terra ondulada com montanhas no horizonte plana semelhantes aos do Arizona. Nosso objetivo é o Fish River Canyon. Ao longo da estrada pouco antes de chegar a nosso novo hotel – o Canyon Roadhause – temos visto de perto quatro zebras Hartmann, que têm parados por um momento para observar-nós e em seguida tomam o galope.

Fish River Canyon, Namíbia. Author and Copyright Marco Ramerini

Canhão Fish River, Namíbia. Autor Marco Ramerini

Por volta das 12 horas era o melhor momento para observar iluminado o fundo do canyon. Chegamos ao ponto de vista sobre a garganta. A beleza da paisagem é de tirar o fôlego. É um imenso abismo, que formou-se em 8 milhões de anos, devido à força tectônica, que formaram uma rachadura no chão e em seguida graças ao trabalho de escavação do Fish River. O rio tem água, que é claramente vista a partir do ponto de vista, a fita de água refletindo os raios de sol.

É semelhante ao Grand Canyon de Arizona, mas tem cores diferentes. Nós paramos num miradouro, de onde pode-se ver debaixo a viragem do rio, que atravessa as paredes rochosas do cânion graças a chuvas recentes uma parte das paredes do cânion são cobertas de grama amarela. Vemos a imensidão desta obra-prima da natureza a partir de dois pontos de vista bonitos.

Canhão Fish River, Namíbia. Autor Marco Ramerini

Canhão Fish River, Namíbia. Autor Marco Ramerini

Grande foi a escolha do nosso guia Erich de chegar ao meiodia para ver o canyon totalmente iluminado. Vamos tomar um lanche rápido na margem do cânion e em seguida Erich nós falou sobre a vegetação do lugar. Podemos observar diferentes plantas e flores, incluindo a euphorbia venenosa, muito semelhante à forma dum cacto.

Depois do almoço vamos para o nosso próximo hotel: o Canyon Roadhouse, um bom lugar muito pitoresco com carros velhos de então. Após um breve descanso partimos novamente às 15h30. Da altura da garganta vemos gazelas, babuínos e avestruzes e outros pontos de interesse turístico. Paramos para admirar a mudança de luz nas paredes do cânion e ficamos até anoitecer. Realmente uma experiência emocionante!

14 de Agosto, tempo claro
CANHÃO FISH RIVER-KEETMANSHOOP-África do Sul (430 km)

Hoje começamos às 7:30. O nosso próximo objetivo é o deserto de Kalahari na África do Sul. Ao longo do caminho paramos na barragem do rio Löwen, onde implantou-se um cultivo experimental de vinhas e datas. Paramos para obter suprimentos a Keetmanshoop, uma vila fundada em 1860 como uma estação de missão da Rheinische Missionsgesellschaft para converter a população de Nama. Em Keetmanshoop observemos a população local, que passeia pelas ruas. Há alguns trajes interessantes das mulheres com o cocar característico atado na frente.

Kokerboom (Aloe dichotoma), Namíbia. Author and Copyright Marco Ramerini

Kokerboom (Aloe dichotoma), Namíbia. Autor Marco Ramerini

A poucos quilómetros de distância visitamos o Quiver Tree Forest/Kokerboomwoud e o Giants Playground, duas atrações naturais. O primeiro é uma floresta de árvores Kokerboom e o segundo um lugar desolado feito de pedras enormes, que parecem ter sido colocadas lá por gigantes durante os seus jogos.

Continuamos para Aroab e chegamos ao posto de fronteira com a África do Sul de Rietfontein, reluctantemente dizendo adeus a Namíbia entrando na República da África do Sul. Vamos numa estrada, que está em construção. Pode ver ao lado da estrada algumas cabanas habitadas pelos bosquímanos (San). A África do Sul à primeira vista – ainda a ser testada nos próximos dias – parece como um país sujo e pior mantido da Namíbia. Desta, no entanto, não tivemos ainda a confirmação. Foi provavelmente apenas a situação neste canto remoto do país.

Hoje à noite nós ficamos no mato numa pequena casa só para nós. Fazemos um cordeiro e salsichas na grelha. Nós ficaremos no Lodge de Twee Rivieren no Parque de Kalagadi por três noites, mas esta noite não encontramos espaço livre. Vamos tentar amanhã de manhã cedo para encontrar um lugar no Lodge para as próximas duas noites, que passaremos no parque.

A viagem continua na África do Sul >>>>

Texto português corrigido por Dietrich Köster.

dealform 336x280
banner
eXTReMe Tracker