Home / África / Tanzânia / A cratera de Ngorongoro: um paraíso de animais e a localidade de seres humanos pré-históricos
A cratera de Ngorongoro, Tanzânia. Autor Sajjad Sherally Fazel. Licensed under the Creative Commons Attribution
A cratera de Ngorongoro, Tanzânia. Autor Sajjad Sherally Fazel

A cratera de Ngorongoro: um paraíso de animais e a localidade de seres humanos pré-históricos

Situado a 180 km a oeste de Arusha na Tanzânia, a cratera de Ngorongoro é uma grande caldeira circular, localizada no coração do maciço de Ngorongoro no norte da Tanzânia no ramo leste do vale da Grande Fenda. Esta cratera, agora extinta, foi formada após o colapso dum grande vulcão, que originalmente atingiu 5.000 metros de altura. A cratera de Ngorongoro é um oval fechado de 20 km de diâmetro com uma área de 300 quilómetros quadrados. A cratera é 600 metros mais profunda do que as suas margens. Dentro da cratera existem vários lagos, o maior dos quais, o Lago Magadi está localizado do lado oeste. A base da cratera é de 1.800 metros de altura, enquanto as margens da cratera estão localizadas a 600 metros acima.

A área, onde fica a cratera de Ngorongoro, é protegida pela Ngorongoro Conservation Area, uma área natural protegida, que abrange 8.300 quilómetros quadrados. Esta área de savana de alta altitude é um património mundial da UNESCO. A reserva é constituída por vastas extensões de planaltos, savanas, florestas e savanas arborizadas. A reserva estende-se desde as planícies do Serengeti National Park para noroeste e o braço oriental do vale da Grande Fenda.

Ao sul a área protegida chega até o Lago Eyasi, enquanto para o nordeste inclui a cratera vulcânica de Empakaai com o seu lago. O limite da área chega ao colo, mas não inclui o impressionante vulcão de Ol Doinyo Lengai, que chega a 2.962 metros. Entretanto o desfiladeiro de Olduvai fica nos limites do parque. A montanha mais alta localizada na área protegida de Ngorongoro é o Monte Loolmalasin, que atinge 3.682 metros e é a terceira montanha mais alta da Tanzânia após o Monte Kilimanjaro e o Monte Meru.

A cratera de Ngorongoro, Tanzânia. Author William Warby. Licensed under the Creative Commons Attribution-Share Alike

A cratera de Ngorongoro, Tanzânia. Autor William Warby

Dentro da área protegida vivem mais de 25.000 animais de grande tamanho e 500 espécies de aves. Existem leões, gazelas, zebras, gnus, hienas e rinocerontes. Nesta área foram encontrados restos de hominídeos, que viveram há 3,7 milhões de anos. A área da cratera de Ngorongoro é uma das mais importantes e mais visitados locais turísticos da Tanzânia. Os turistas vêm aqui sobretudo para ver a fauna selvagem, mas não devemos esquecer as paisagens evocativas dos planaltos africanos, que caracterizam a área e os sítios pré-históricos, onde foram encontrados vestígios de hominídeos, que existiram há 3,7 milhões de anos. Os sítios pré-históricos mais importantes são os do desfiladeiro de Olduvai, Laetoli, Lago Ndutu e Nasera Rock.

A área da cratera de Ngorongoro está sujeita a um clima tropical, onde destacam-se duas estações chuvosas distintas: A pequena estação de chuvas em novembro e dezembro e a estação de chuvas longas de março a maio. As estações secas incluem os meses de janeiro e fevereiro e entre junho e outubro. As terras altas da cratera, que estão localizadas do lado voltado para os ventos alísios de leste, recebem entre 800 e 1.200 milímetros de chuva por ano e são cobertas em grande parte por uma vegetação de floresta montanhosa. Doutro lado a parede oeste da cratera só recebe entre 400 e 600 milímetros de chuva e é coberta com uma vegetação de prados e arbustos. O fundo da cratera está principalmente coberto por áreas gramadas, adequadas para pastoreio com pequenas áreas arborizadas, onde a acácia cresce.

Texto português corrigido por Dietrich Köster. 

dealform 336x280
banner
Siga-nos no Facebook
Mantenha-se informado sobre Guia Viagem
×
eXTReMe Tracker